sexta-feira, 29 de março de 2013

O Prisioneiro do Céu


O terceiro volume do cemitério dos livros esquecidos de Carlos Ruiz Zafón tem como protagonista Ramon Fermín Torres o fiel empregado da livraria Sempere & Filho numa história com um toque de Conde de Monte Cristo. Fermín prepara-se para deixar para trás os dias dias desgarrados e casar, mas uma visita  misteriosa à livraria desperta fantasmas do passado. Fermín conta com a ajuda do amigo  Daniel Sempere, o protagonista de A Sombra do Vento, mas os segredos de Fermín revelam-no mais próximo dos Sempere do que Daniel alguma vez pensou.
O Prisioneiro do céu é uma linha que entrelaça ainda mais o enredo dos dois livros anteriores e parece ser esse o objectivo principal da obra que não traz realmente nada de novo ao universo do cemitério dos livros esquecidos. Não caí no exagero fantasioso do Jogo do Anjo e também não tem o charme soturno da Sombra do Vento. Talvez lhe falte um escritor maldito para outra dimensão á trama, Firmín é uma figura interessante, mas como protagonista não tem o impacto de  Julián Carax e David Martín. Quem chegar a este livro sem ter lidos os anteriores vai sentir falta de algo. Resta acrescentar que como sempre nos livros de Zafón Barcelona, cidade mágica, maldita e encantada, continua a ser a protagonista principal.

Sílvia Clemente