sábado, 6 de abril de 2013

Blood of Elves




Escrito por Andrzej Sapkowski, um senhor polaco de 64 anos e ar de avozinho escriturário, Blood of Elves não é um livro de fantasia típico. Nunca poderia ser.
Geralt of Rivia é um Witcher (podemos traduzir em português para bruxador, soa muito mal) um homem alterado graças a misteriosas poções mutagénicas para ser mais rápido, mais forte, mais resistente que o comum dos mortais, com a finalidade de caçar monstros a troco de dinheiro. Uma espécie de mercenário mutante altamente especializado, num mundo povoado por bruxas, feiticeiros, mágicos, elfos, anões, lobisomens...Toda a espécie de monstros alguma vez descritos no folclore europeu. Num mundo que em suma parece o de um conto de fadas, mas mais na versão original dos irmãos Grimm e não a da Disney.
Há muitos anos o Homem chegou e conquistou o continente, os antigos habitantes, elfos e anões, são agora proscritos sociais. Ostracizados e perseguidos como foram, por exemplo, os judeus e os ciganos em vários períodos históricos. Os vários reinos e reis fazem invariavelmente pensar na Europa, antes da união e agora também.
A acção começa logo após ter terminado uma guerra. O império de Nilfgaard atacou e conquistou o Reino de Cintra. Os outros reinos conseguiram resistir à invasão, mas a ameaça velada mantêm-se sempre presente. Nilfgaard detém uma posição estratégia superior e pode conseguir com o controlo económico o que não conseguiu pelas armas (isto faz lembrar alguma coisa).
Geralt é dado como morto, mas regressa e tem como protegida Ciri, a herdeira de Cintra, que lhe foi prometida como aprendiz. Mas o destino de Ciri é demasiado importante e muitas pessoas querem vê-la morta ou sobre o seu poder.
Li algures que O Senhor dos Anéis é suposto ser uma metáfora de segunda guerra mundial. Nunca percebi como. Mas ao ler Blood of Elves é impossível ignorar as comparações entre o mundo criado por Sapkowski e a Europa (ainda por cima o autor é Polaco).
Escrito num estilo simples mas correcto, sem floreados desnecessários, nem os arcaísmos aborrecidos e com um humor negro e frio, um anti-herói típico, mas que consegue fugir ao cliché, Blood of Elves é um livro de fantasia para pessoas adultas.
Infelizmente só estão traduzidos para inglês este primeiro livro e a prequela (The Last Wish). O segundo volume da saga tem publicação agendada para este ano. Pode ser que The Witcher 3 seja um jogo com muito sucesso e que tal acelere o processo de publicação dos livros no mundo anglo-saxónico.

Sílvia Clemente