quinta-feira, 23 de maio de 2013

Algumas observações sobre Call of Juarez: Gunslinger


O que se segue não é uma crítica, ainda não joguei Call of Juarez: Gunslinger - que só será lançado amanhã - mas, por motivos que adiante serão referidos, não tenciono jogá-lo, apenas emitir algumas observações feitas depois de ter visto vários trailers, lido algumas críticas e, principalmente, assistido ao vídeo, com cerca de 20 minutos, que acompanha este post.
Antes de me pronunciar sobre o que vi, vou lamentar o que não vi e que, há alguns meses quando de Gunslinger só se ouviam os rumores, tive a esperança que fosse acontecer: um Red Rock Redemption para PC... Enfim, não o próprio Red Rock Redemption, esse só a Rockstar é que poderia ter lançado e não o fez, mas algo parecido. Teria, certamente, procura, mas ainda não foi desta.
Gunslinger não se afasta muito das anteriores entradas no franchise Call of Juarez e talvez tenha criado falsas expectativas, mas quando li sobre o novo jogo lançado pela Ubisoft, sobretudo depois de Far Cry 3 (mesmo sabendo que a Ubisoft, neste caso, é apenas uma distribuidora), pensei imediatamente num western de aventuras, em formato open world. Não pensei em mais um shooter que, apesar de visualmente interessante, é um regresso às origens de Call of Juarez, depois do desaire que foi The Cartel.
Como se pode observar no vídeo, o enredo é apresentado de uma forma interessante. Silas Greaves, o protagonista, narra a sua própria história a um grupo de curiosos, num saloon. Depois da entrada, em forma de banda desenhada estilizada e com um bom voice acting - ou interpretação vocal, tradução que não me agrada nada - começa o jogo propriamente dito. Visualmente está muito bem executado, não há grandes trocas de palavras - aqui é mais tiros -, mas os breves diálogos mantêm o clima de tensão. A "concentration", versão Call of Juarez do bullet time (creio que já tinha sido usada anteriormente nesta série) ajuda o personagem a ser um pistoleiro convincente e a isso ainda se soma a possibilidade - muito ocasional - de evitar balas certeiras que seriam fatais para Silas Greaves. A narração da história pelo protagonista vai interrompendo a acção em momentos cruciais, o que lhe confere um ritmo diferente dos shooters típicos. No geral, parece-me uma excelente aquisição para os fãs de westerns que gostam de jogos de acção. Para mim, infelizmente, é apenas uma desilusão. Continuo à espera de um Red Rock Redemption para PC...

Miguel Ribeiro