segunda-feira, 20 de maio de 2013

Os Filhos de Anansi



Terminei há tempos Os Filhos de Anansi, de Neil Gaiman; este livro é uma espécie de continuação de Deuses Americanos, embora muito mais ligeiro em tom e conteúdo.
Os dois livros são mesmo muito diferentes: este é muito mais divertido, porque segue as aventuras e desventuras de dois jovens adultos, Charlie Nancy e Spider, filhos de Anansi, o deus trapaceiro com aspecto de aranha que rouba as histórias, lendas e canções aos outros animais; já o Deuses Americanos conta a história de uma guerra secreta entre os deuses antigos e os novos deuses, como a Internet, ou os Media e os novos meios de transporte.
Este livro, ao contrário do que hoje em dia se faz com vampiros pseudo-gansters mascarados de super-heróis, é uma verdadeira fábula urbana, rico em mitologia: todos os animais fazem parte do imaginário humano ancestral, têm todos a sua história particular, depois desenvolvida em lendas, mas que de todos é roubada por Anansi, que assim fica com má reputação junto deles.
Charlie "Gordo" Nancy é um pacato jovem londrino, que trabalha num escritório de advgados e que prepara sem grande entusiasmo o seu casamento quando recebe a notícia da morte do pai, que não vê há anos.
Ao viajar para os Estados Unidos para o funeral do pai, conhece quatro senhoras de muita idade que lhe dizem que tem um irmão, Spider, que é filho de um deus, e que pode chamar o irmão falando com as aranhas.
É o que Charlie faz, e a sua vida fica virada de pernas para o ar.
Recomendo-o vivamente, pela escrita fluída e divertida de Neil Gaiman, e pelos seus temas, lendas ancestrais moldadas à realidade contemporânea.

Rui Anselmo