sexta-feira, 10 de maio de 2013

The Lament Configuration apresenta: À Meia-noite Levarei Sua Alma (1964)









À Meia-noite levarei sua Alma (1964), do realizador brasileiro José Mojica Marins, é o primeiro filme da trilogia que gira em torno da enigmática e incontornável figura do cinema de terror de culto Zé do Caixão, AKA Coffin Joe, nos países anglo-saxónicos. Zé do Caixão é um coveiro nietzschiano, ateu, amoral e com um temperamento deveras irascível, que o leva a esbofetear, pontapear, socar, espancar brutalmente e até matar quem ouse tornar-se um obstáculo aos seus intentos.

Caracteriza-se igualmente por um défice higiénico gravíssimo: para além das temíveis unhacas, a sua barba escorre óleo e, supõe-se, será um vasto ninho de piolhos; nunca troca de roupa; usa uma cartola em segunda mão e uma capa três tamanhos acima do seu - o que indicia que terá sido emprestada ou ilicitamente desviada ao seu legítimo proprietário - na realidade isto acontece porque o realizador tomou o lugar do protagonista, depois deste ter desistido de participar no filme. As dificuldades financeiras em que o filme foi executado são notórias, tendo Marins, alegadamente, vendido a casa e o carro para os pagar.






Apesar da sua filosofia de vida, Zé do Caixão optou - insondáveis são os caminhos de Zé - por habitar numa pequena localidade rural algures no interior do Brasil, no meio dos campónios ignorantes, supersticiosos (e católicos) que ele tanto abomina. Mais do que isso, Zé do Caixão ambiciona ser pai, para dar continuidade à sua linhagem (e ao seu SANGUE), mas o nojo da gentalha que o rodeia não o impede de querer engravidar uma moçoila local.
O desejo de paternidade de Zé do Caixão é o motor da trama, pois após eliminar a concubina Lenita, que tardava em dar-lhe descendência, assedia violentamente Terezinha, noiva de Antônio, o único amigo do coveiro. Depois de vários ataques de raiva, durante os quais vai eliminado cerca de metade da população da aldeia, Zé do Caixão, insatisfeito com a triste resistência dos vivos, que o temem, sobretudo por imbecilidade, desafia os mortos a erguerem-se dos túmulos e virem pedir-lhe satisfações. Como se trata de um filme de terror, o improvável acaba por acontecer.



Segundo consta, durante as filmagens parte da equipa foi detida pela Polícia por estar a cortar árvores num parque em São Paulo, que seriam usadas para transformar o pequeno estúdio onde o filme foi rodado numa floresta. E é mesmo só isso, não houve maldições a abater-se sobre o elenco e tal... Questões de polícia, apenas. Só para terminar, devido à excelente qualidade de imagem sugere-se uma visualização em VHS, se possível, para não desvirtuar a experiência Caixónica.