segunda-feira, 13 de maio de 2013

The Lament Configuration apresenta: The Barbarians (1987)



A propósito do recente aniversário de Ruggero Deodato - realizador de filmes de culto como Holocausto Canibal - lembrei-me de uma "pérola" do cinema de baixo orçamento dos anos 80 que se enquadra numa onda de clones de Conan, o Bárbaro (1982). Chama-se The Barbarians ou, em português, Os Bárbaros, e é protagonizado por dois irmãos gémeos de dimensões hercúleas e o talento para representar de uma dupla de pedras da calçada, Peter Paul e David Paul.



O enredo genial do filme conta a história de dois órfãos, Kutchek (Peter Paul) e Gore (David Paul), que são adoptados por uma tribo bizarra. Entretanto, o pérfido vilão Kadar (Richard Lynch) ataca a tribo para tomar posse de uma pedra mágica. Após o confronto, a líder do clã, Canary (Virginia Bryant), é aprisionada no harém de Kadar e os dois irmãos são entregues a uma escola de gladiadores.




Os anos passam e Kutchek e Gore transformam-se nas bestinhas que aparecem nas fotos acima. Revoltados com os acontecimentos do passado, os dois conseguem escapar e planeiam a vingança de Kadar e o salvamento de Canary.



O facto de ser um filme com uma forte carga humorística quase faz esquecer quão más são as interpretações, a patetice do argumento e os efeitos que pode ter num filme de fantasia a escassez de orçamento. Eu disse quase. Mas é um filme de Ruggero Deodato, habituado a trabalhar com um budget curto, por isso acaba por ser um clássico. Neste caso um clássico do mau filme de fantasia. Mas um filme mau que sabe perfeitamente que é mau. Não é recomendável, mas para quem já viu fica aqui a recordação.



A título de curiosidade, na edição de 1988 dos Razzie Awards os irmãos David e Peter Paul foram ambos nomeados na categoria de Pior Actor Revelação, mas perderam para David Mendenhall.